quarta-feira, 19 de março de 2008

ESCOLA NO PINHAL DO GENERAL, SESIMBRA

Em 1 de Março de 2008, foi noticia em um dos dois jornais mensais da Quinta do Conde. Na 1ª página pode ler-se: «Perversa falta de escolas, com uma foto de alunos» com desenvolvimento na página 5, acusando sistematicamente o Estado e o Governo de não construir escolas na Quinta do Conde. Num dos parágrafos pode ler-se. “O parque escolar para o 1º ciclo, cuja responsabilidade é da Autarquia também é deficitário, embora não com tanta acuidade. Por isso mesmo, a construção da escola do Pinhal do General não pode sofrer mais demoras”. Lembro que este jornal politico está ao serviço da C.M.S
Eu, Arlindo Funina. Como é do conhecimento público, tenho questionado a Autarquia desde Dezembro de 2005, do imbróglio que a CDU em 1996 meteu o Pinhal do General e querem continuar a todo o custo com esta politica desastrosa para este.
Quero deixar aqui bem claro. Nem eu nem ninguém do Pinhal do General, está contra a que se construa mais escolas. Estamos, isso sim contra a Câmara Municipal de Sesimbra, construa seja o que for em terreno (solo) alheio, que não lhe pertence.
Sendo o Pinhal do General Área Urbana de Génese Ilegal (AUGI), ainda nenhuma área está cedida à Câmara. Só será cedida à Câmara segundo a Lei, com a divisão de coisa em comum (nº 4 do artigo 38º). Deve-se fazer primeiro o que é primeiro. Se os Autarcas quisessem, quando comecei a questionar o Sr. Presidente em Dezembro de 2005, hoje já estaria resolvido, ou pelo menos em fase final . Estes não quiseram e porquê? Porque sair da trapalhada que a CDU meteu o Pinhal do General não é fácil e não dá nas vistas, porque não se vê, como por exemplo uma escola se a viessem a construir, ou a remodelação das ruas em Sesimbra onde está previsto colocar granito polido no chão, para que possam ver através deste se o nó da gravata está conforme, ou um Plano de Pormenor na Mata de Sesimbra, que se encontra sob a investigação da P.J. “onde á fumo há fogo”. Estes exemplos sim dão mais nas vistas, para iludir os munícipes em erro, querendo fazer crer que está a governar bem. Em primeiro lugar resolver a trapalhada do pinhal do General que dura há quase doze anos. Doze anos não são doze dias e depois aplicar os equipamentos destinados aos mesmos.
Onde querem construir a escola o chão pertence-me, assim como a todos os que têm a escritura em avos indivisos, porque não possuímos uma escritura (titulo), onde conste a área aprovada privada.
Destes Autarcas espera-se tudo, como por exemplo: meterem a foice em ceara alheia e darem marteladas nas cabeças dos comproprietários do Pinhal do General, porque querem construir uma escola em terreno que é de todos nós e ainda por cima com cabos de alta tensão a passarem ao longo de todo o terreno. É lamentável.
Vou terminar com o que disse atrás. Não venha agora o Sr. Presidente dizer que o Funina está a travar a construção da escola. Em vez de fazerem os projectos para a escola, para as melhorias das ruas em Sesimbra ou para o Plano Pormenor da Mata de Sesimbra, porque é que não olhou com outros olhos para o Pinhal do General quando o questionei em fins de 2005? Porquê?

3 comentários:

Sandro disse...

De facto é muito lamentável que se arrastem estas situações. Se realmente, segundo a lei, é necessário fazer-se primeiro a divisão da coisa em comum, porque é que então não se faz isso? - de certeza que seria melhor para todos, uma vez que se acabaria de uma vez por todas com o problema "avos/m2". Ganhavam os comproprietários e ganhava a Câmara que não se arriscava a que um dia se lhe atribuisse culpa por construir uma infra-estutura no que não é completamente seu.
Mas com isto assola-me uma outra questão: que é feito do papel da Junta de Freguesia da Quinta do Conde? - A Junta concorda com esta medida, discorda ou não quer saber? Antigamente haviam as associações de moradores, que assumiam um forte papel na solução dos destinos do seu local de residência. Na ausência destas tão necessitadas associações, estará a Junta de Freguesia disposta a tomar este lugar??
Bom trabalho, Arlindo. Porque se há problemas, eles devem ser trazidos para cima da mesa, e se há culpados, eles devem ser acusados.

Anónimo disse...

É bom que se diga que os dois jornais mensais da Quinta do Conde são o "Condense" e o "Fórum da Quinta". Força Sr. Arlindo Funina.

Anónimo disse...

Força orlindo fonina, mas não te cagues.